terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Xizes...



Dai ao menino a chance,
na tenra idade onde,
ser, é melhor que pensar,
e crer é sinônimo de sonhar...

Fui escravo da jornada,
indo ali, vindo de lá,
tendo em vista o que vivi,
não tenho do que reclamar...

Meu eterno par,
ir lá, naquela memória,
onde uma vez, em meu âmago,
pude rir e dançar...

Pode ser noite ou dia,
negra sem melanina,
que na cadência foi mulher,
e na areia foi menina...

Quem resta só, já foi,
meu tempo se quedou,
no instante em que,
as cordas cortaram e sangrou...

domingo, 29 de janeiro de 2012

Indagações...



Por quê perguntas,
se não possuo respostas...
Faz-me acreditar que,
por vezes não minto, omito...
De nada lhe adianta,
de madrugada bater às portas...
Se seu único recurso,
é indagar ao opaco infinito...

Talvez essa sua,
capacidade infinita de questionar...
Reflita nos vidros,
das poucas janelas por quais passou...
Pois antes de,
pôr à prova meu explanar...
Me responda,
por quê você nunca tentou...

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Apenas...


O apenas...basta uma vez...ele não tem outra chance...
Só o apenas tem a importância necessária pra sustentar um impasse...
Apenas são os momentos mais complicados que justificamos quando não queremos assumir a total autoria de nossas falhas...
...é...apenas isso...

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Eles São Todos Iguais



Olhei,
por tantas vezes questionei seu olhar,
observando meus dedos no violão a tocar,
Por que será que isso eu não pude gravar...

Senti,
algo estranho em minhas cordas frias,
quando abafando-as, cessou a cantoria,
não imagino menor ação para um maior pesar...

Pedi,
para que ficasse um instante mais,
sempre fugirei de um jamais,
faço do segundo, um minuto perdurar...

Fiz,
o que qualquer outro faria,
eternizei alguém em poucas linhas,
para quem sabe, um dia, relembrar...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Aprenda...



Por favor nem tente...
São porque são...é assim...e ninguém deve se intrometer...
Essa anamnese interminável que os homens tentar buscar respostas, não deve ser elabaorada...quanto menos aplicada...
Digo isso, sem nenhuma prepotência em querer receber alguma coroa de louros sobre tal tópico...
Mas se até hoje ninguém compreendeu tal mundo...é porque deve continuar assim...incompreensível...
Algumas experiências e relatos próprios, impróprios e de outrém, corroboram tal pensamento...
Ainda não descobri valia e descobrir o que querem, gostam, anseiam, odeiam...
Cada uma é diferente da outra...mas todam geram um padrão...
E esse padrão, faz perder toda a graça...
De repente, a incerteza diária é o que faz o afeto perpetuar...
Ainda fico extasiado com o poder que possuímos em fazer elas sorrirem...
...sem graça, bobo, discreto...
...uma vez realizado...sentimento eternizado...

sábado, 21 de janeiro de 2012

Dependência


Tenho uma inquietude relevante,
aquela mesma de um ignorante,
que tenta seus sentidos aguçar...

De forma natural ou superficial,
o que impede é algo banal,
algo que nunca pensei em arcar...

Mas dependo de algo inato,
presumindo seu recurso imediato,
futilidade de um espelho que faz lembrar...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Desculpe Chico


O que será que será,
que me remete à mente e nunca será...
que eu já tive a chance e insisti em errar...
que vivo um presente e não posso parar...
que sinto as lembranças sem poder tocar...
que já não possuo ombros para enfim recostar...
que possuo amigos ali e acolá...
que algumas feridas o tempo irá curar...
que outras apenas, cicatrizar...
que algumas músicas ainda irei tocar...
que outras apenas, ouvir e chorar...
que tudo isso é besteira para se lamentar...
que eu só queria saber o que será que me dá...
...de verdade...

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Anseios II...


Quase esqueço das lembranças...
Se houvesse tempo para recuperá-las..
Ainda poderia gozar de tal feito..

Se tivesse vivido intensamente...
Ainda viveria o êxtase do caminho...
Quase consegui...feito inédito para mim...

Ainda...é meu futuro...
Quase...meu passado imperfeito...
Sê...meu presente receoso...

domingo, 15 de janeiro de 2012

Bem Me Quero



Ô padeiro,
faz meu pão de cada dia,
põe fermento no menino,
só não jogue água fria...

Seu padeiro,
e o leite pra casar,
põe pressão nessa menina,
quero ver me validar...

Meu trocado,
já fez muita mesa farta,
hoje conto com as migalhas,
não dá nem para entrada...

O meu lanche,
que nunca deu para nada,
muito sal pra pouco queijo,
sem doce pra goiabada...

Eu só tenho uma dúvida,
entre o bem e o mal me quer,
pois não quero envolvimento,
guardo bem minha colher...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O Contra...


Não gosto de deixar fluir...
O incessante planejamento que me ocorre diariamente, serve de pedestal para não molhar os pés...odeio meias molhadas...ou travesseiros recém umedecidos...como preferir...
Tal opção...deixar a esmo...só expõe aos riscos de dúvidas que martelam o pensamento e desregram o batimento cardíaco...e não ouse falar que é preciso estar na chuva...não gosto de estar molhado...
O que me basta, a partir, é planejar...pois sempre me foi dito que me perco no tempo...
...na verdade...sempre presumi que nunca me foi concedido o tempo necessário...

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Enferrujado...



Sob muitas experiências,
lapidei meu existir...
Ia em cada resguardo,
minha vontade insistir...

Assinei várias nuances,
ruins grafias próprias...
Valorizando cada dia,
Singelas memórias...

Busca incessante,
na doce ingenuidade de ser...
Dos simples pudores,
no monte a sorver...

Verei o presente futuro,
melhor do que ninguém,
O benefício de alguma dúvida,
foi a certeza de alguém...

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Migalhas...


Porque lembro de todos os amores,
odores de quem já não mais possuo,
que meu lençol uma vez guardou,
De soltas vestes ou de corpos nus...

Por isso não peço que deixe o seu...
No entanto quero que carregue,
consigo, o pouco que restou do meu...