domingo, 2 de dezembro de 2012

Eu E O Sabiá


Hoje vi um sabiá,
eu aqui, o vidro e ele lá...
Obstinado em querer atravessar,
e seu reflexo sempre a lhe bicar...

Não compreendi seu mal estar,
indignado por não poder entrar?
Às vezes tornava a se enganar,
e eu ali de pé a fitar...

Pela noite não o vi,
procurei por ali, no mesmo lugar...
Porém sem sol, reflexo de mim,
pela luz por detrás a iluminar...

Noutra manhã retornou, porém o vidro,
outra vez querendo em meu lugar estar...
Queria ter eu suas dores de bico,
para que indignado no ar, pudesse ficar...

domingo, 25 de novembro de 2012

Provocações


Mesmo longe, quero que,
ative essa gana,
reviva em pensamento,
vestes de soberana...

Igual intuito tenho eu,
longe da sua tez,
afastado de seu apogeu,
apaziguado por um talvez...

Rastrear suas inquietações,
através de metáforas visuais,
urge de nuances mais específicas,
jamais vistas, diz-se, reais...

Obrigo o tempo,
fecho o acordo,
limpo minhas mãos,
pedindo retorno...

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Poucos São


Há tempos um relato vem à tona,
o pequeno esforço já realizado...
Atitudes que alguém toma,
quando guarda no peito algo apertado...

Recordado às vezes por um sonoro ruído,
outrora por um bilhete mal rabiscado...
Do brilho na foto, mal concluído,
ao sentido, por vez, mal interpretado...

Devaneios carregados por um vento frio,
que muitas vezes já foi seu aliado...
Hoje no calor resguarda o brio,
de poucos sons mal dedilhados...

Mas tal temor espero que seja tenro,
anseio por um destino mais afinado...
Dos poucos amigos que lêem tal escrito,
minha gratidão por sonharem acordados...

sexta-feira, 9 de março de 2012

Fugas...


O pífio anseio de querer as memórias camuflar,
relembra que o seu iceberg, só vejo a ponta...
Que por mais reflexões que eu possa realizar,
você já consegiu fugir da própria sombra?

quarta-feira, 7 de março de 2012

Pré



O contrário de mim mesmo,
não pode ser outra pessoa...
Mesmo que o português esteja in...correto,
confio no pau da minha canoa...

Que esse pensamento seja pre...coce,
coce...deve coçar, no mínimo in...comodar,
O cômodo lugar que re...pouso,
só os pensamentos menos elementares podem pousar...

E que você ignore seus pre...conceitos,
conceitos tolos, sem nenhuma sus...tentação,
é no mínimo tentador não ter nada na mente,
mente mesmo...a verdade só é o...culta...

Porque a cultura atra...palha,
Fogo de palha mesmo, não so...corre,
aliás, só corre, pra lugar nenh...um,
pra quem acha um porre, um, já é um lugar...

segunda-feira, 5 de março de 2012

Meu Porto


Nesse estado em que me encontro,
no sofá, deitado e torto,
miro o reflexo fosco...

É o espelho que me vejo morto,
da prole que finda o aborto,
de meu anseio defeituoso...

Mas é essa a busca de que falo,
enquanto eu penso no meu regalo,
me segue a voz, à cavalo,
num filosofar de um mero louco...

Agora, findo aqui minha escusa,
exigindo, de um protesto, pouco,
zombando a face de minha musa,
distante do meu seguro porto...

sábado, 3 de março de 2012

Só O Que Faltava...



Lamento o que venero,
por simples desespero...
Não podendo utilizar,
retorno a fitar...

Apenas um pormenor,
já visto e lembrado...
Nuances de um mero escritor,
que dela se quedou segregado...

O não fazer nada,
não justifica a quietude...
O corpo em que dois esses se encontra,
necessita de sua solicitude...

As cinco percepções aguardam em alerta,
esmeram que sua sexta não fique calada...
Você pode nomeá-la de forma incerta,
mas não pereça, sabendo que é só isso o que faltava...

quinta-feira, 1 de março de 2012

Por quê erramos?



Erramos para dar a chance aos outros
revelando que ainda somos humanos...
Tais interpéries corroboram a idéia de,
sermos felizes em um diferente cotidiano...

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Sopra...Sopra...



Colhe, pega do chão,
alimenta algo bom...
Mexe com os dedos,
iniciando seu frisson...

A ânsia de retratar,
se confunde com a índole...
Quem conhece, previne,
quem ainda não, permite...

Queria que fosse outra,
algo que fosse botão...
Que com esmero fosse,
colhida do fértil chão...

Mas por opção, não...
Apela ao dente-de-leão...
Reprodução de um mal-me-quer,
que insiste em despedaçar...
Sopra...Sopra...
Pra nunca mais voltar...

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Recado


Não gosto de recados...
Fico um pouco perturbado com isso...
Sempre existe aquela dúvida de como teria sido, se a mensagem fosse transmitida pela própria pessoa...
Aliás, não gosto de mensagens...mentira minha...gosto sim...
Mensagens de qualquer espécie que me chegam tarde da noite me tiram o sono...sério...
Me questiono qual a real necessidade de tais mensagens...
Toda mensagem precisa de respostas...interminável monólogo...
Fico imaginando a resposta aflitiva de uma carta...
Há uma enorme dose de esperança contrapondo a situação aflitiva da expectativa formada nas letras mal escritas...
Sério...de verdade...
Vocês me tiram o sono...

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Levada...



Batendo no copo,
no ritmo em que o pulso controla o suíngue...
Gingado de um ser ludibriado por suas faculdades...
Imaginando o fim desse pensamento...
Mesmo que por um momento, isso, não seja verdade...
Ou quem sabe seja...álcool...e cerveja...
Mas o que seguro e balanço, resguardo...
Não há nada mais puro em mim...
Que meu copo molhado...
Oriundo quem sabe de um corpo suado...
Devaneios apenas de um corpo cansado...

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Coberturas...



Adoro coberturas...
Aquelas que ficam mais perto do céu...
Aquelas que enfeitam meus vícios gulosos...
Inclusive a cobertura das pessoas...
Adoro como elas revestem de inúmeram formas...
Se protegem de interpéries do clima, da vida, do tempo...do momento...
A cobertura é um sorriso amarelo que sustenta a imponência do ser fragilizado...
Ela te serve como cartão de visitas, onde quer que você esteja...
Queria esquecer tais coberturas e pensar no singelo...
A partir de agora...de cobertura...só cerejas...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Que Bagunça Minha Cama...



Que olheiras...
Noite mal dormida...
Juro que quando fui pra cama ela estava arrumada...
A noite estava quente, mas sempre mantive o ar condicionado ligado...
Não teve suor...nem agitação...nem ninguém...mas acordei com uma necessidade de sono...
De sonhos não...por enquanto vivo alguns...terminei outros...mas lógico...continuo criando outros mais...
Agora que me levanto e reparo atônito...
...que bagunça está minha cama...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Simples Assim...



Chegando impetuosamente,
arrumando as paisagens,
mexendo em lugares onde,
incialmente, não havia espaço...

Levanto tal hipótese de,
acaso, fortuna, algo assim...
Não tenho melhor resposta que,
vá solucionar tais anseios...

Ou posso relevar a vontade que,
volta e meia brinca de se esconder...
Quem pode solucionar isso,
sabe, que o racional comanda...

Retornar ao impasse,
novamente...redundância eterna...
Gostar disso é a doença,
apenas os fortes são imunes...

Fica simples de explicar,
Difícil de entender...
Culpo esse aglomerado que,
alguém, criou usando palavras...
Acho que sentir é mais fácil,
ninguém define nada...simples assim...

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Conjunturas...



Frente algumas interpéries,
há, em mesma proporção,
a quantidade relativa de,
soluções oportunas...

As inúmeras distrações,
que me são ofertadas,
nem sempre correspondem,
à vontade declarada...

Assim...prefiro...
Seguir pelo simples,
procurando o inexperado,
nas situações já esperadas...

Mesmo que eu junte os leitos,
Isolando os tecidos...
Mesmo que por anseios distintos,
Se quedem unidos...
Desfrutando a imaginação,
perdendo-se nos sentidos...

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Permissões



Afim de não cometer excesso,
escuto daqui e ouço de lá,
pequenas nuances a conceituar,
o consentimento expresso...

Porém, não é adquirido,
por pressões ou anseios,
requer-se muito dos sujeitos,
o direito permitido...

Uma aflição pode facilmente,
ser transformada em outra aflição,
para findar uma lágrima,
outra distante ligação...

Diferente do que se diz,
interesse e desejo se completam,
não sei como vocês interpretam,
a oportunidade de ser feliz...

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Proximidades



As cercanias que me atingem,
nem sempre causam efeito...
As privações frente as atitudes,
requerem permissão do meu espelho...

Caminhando em distâncias curtas,
a vontade vem em doses...
Momentos singelos de uma vontade atípica,
inibem a ação dos meus anseios...

Primeiro chega a incerteza,
remorsos possíveis em forma de desejo...
Instantes suscetíveis ao feito,
momento perdido de um beijo...

O que espero de lá...compreensão,
o que não é de meu feitio...desistir..
Harmonia no olhar como sedução,
ensejo perfeito de se permitir...

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Xizes...



Dai ao menino a chance,
na tenra idade onde,
ser, é melhor que pensar,
e crer é sinônimo de sonhar...

Fui escravo da jornada,
indo ali, vindo de lá,
tendo em vista o que vivi,
não tenho do que reclamar...

Meu eterno par,
ir lá, naquela memória,
onde uma vez, em meu âmago,
pude rir e dançar...

Pode ser noite ou dia,
negra sem melanina,
que na cadência foi mulher,
e na areia foi menina...

Quem resta só, já foi,
meu tempo se quedou,
no instante em que,
as cordas cortaram e sangrou...

domingo, 29 de janeiro de 2012

Indagações...



Por quê perguntas,
se não possuo respostas...
Faz-me acreditar que,
por vezes não minto, omito...
De nada lhe adianta,
de madrugada bater às portas...
Se seu único recurso,
é indagar ao opaco infinito...

Talvez essa sua,
capacidade infinita de questionar...
Reflita nos vidros,
das poucas janelas por quais passou...
Pois antes de,
pôr à prova meu explanar...
Me responda,
por quê você nunca tentou...

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Apenas...


O apenas...basta uma vez...ele não tem outra chance...
Só o apenas tem a importância necessária pra sustentar um impasse...
Apenas são os momentos mais complicados que justificamos quando não queremos assumir a total autoria de nossas falhas...
...é...apenas isso...

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Eles São Todos Iguais



Olhei,
por tantas vezes questionei seu olhar,
observando meus dedos no violão a tocar,
Por que será que isso eu não pude gravar...

Senti,
algo estranho em minhas cordas frias,
quando abafando-as, cessou a cantoria,
não imagino menor ação para um maior pesar...

Pedi,
para que ficasse um instante mais,
sempre fugirei de um jamais,
faço do segundo, um minuto perdurar...

Fiz,
o que qualquer outro faria,
eternizei alguém em poucas linhas,
para quem sabe, um dia, relembrar...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Aprenda...



Por favor nem tente...
São porque são...é assim...e ninguém deve se intrometer...
Essa anamnese interminável que os homens tentar buscar respostas, não deve ser elabaorada...quanto menos aplicada...
Digo isso, sem nenhuma prepotência em querer receber alguma coroa de louros sobre tal tópico...
Mas se até hoje ninguém compreendeu tal mundo...é porque deve continuar assim...incompreensível...
Algumas experiências e relatos próprios, impróprios e de outrém, corroboram tal pensamento...
Ainda não descobri valia e descobrir o que querem, gostam, anseiam, odeiam...
Cada uma é diferente da outra...mas todam geram um padrão...
E esse padrão, faz perder toda a graça...
De repente, a incerteza diária é o que faz o afeto perpetuar...
Ainda fico extasiado com o poder que possuímos em fazer elas sorrirem...
...sem graça, bobo, discreto...
...uma vez realizado...sentimento eternizado...

sábado, 21 de janeiro de 2012

Dependência


Tenho uma inquietude relevante,
aquela mesma de um ignorante,
que tenta seus sentidos aguçar...

De forma natural ou superficial,
o que impede é algo banal,
algo que nunca pensei em arcar...

Mas dependo de algo inato,
presumindo seu recurso imediato,
futilidade de um espelho que faz lembrar...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Desculpe Chico


O que será que será,
que me remete à mente e nunca será...
que eu já tive a chance e insisti em errar...
que vivo um presente e não posso parar...
que sinto as lembranças sem poder tocar...
que já não possuo ombros para enfim recostar...
que possuo amigos ali e acolá...
que algumas feridas o tempo irá curar...
que outras apenas, cicatrizar...
que algumas músicas ainda irei tocar...
que outras apenas, ouvir e chorar...
que tudo isso é besteira para se lamentar...
que eu só queria saber o que será que me dá...
...de verdade...

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Anseios II...


Quase esqueço das lembranças...
Se houvesse tempo para recuperá-las..
Ainda poderia gozar de tal feito..

Se tivesse vivido intensamente...
Ainda viveria o êxtase do caminho...
Quase consegui...feito inédito para mim...

Ainda...é meu futuro...
Quase...meu passado imperfeito...
Sê...meu presente receoso...

domingo, 15 de janeiro de 2012

Bem Me Quero



Ô padeiro,
faz meu pão de cada dia,
põe fermento no menino,
só não jogue água fria...

Seu padeiro,
e o leite pra casar,
põe pressão nessa menina,
quero ver me validar...

Meu trocado,
já fez muita mesa farta,
hoje conto com as migalhas,
não dá nem para entrada...

O meu lanche,
que nunca deu para nada,
muito sal pra pouco queijo,
sem doce pra goiabada...

Eu só tenho uma dúvida,
entre o bem e o mal me quer,
pois não quero envolvimento,
guardo bem minha colher...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O Contra...


Não gosto de deixar fluir...
O incessante planejamento que me ocorre diariamente, serve de pedestal para não molhar os pés...odeio meias molhadas...ou travesseiros recém umedecidos...como preferir...
Tal opção...deixar a esmo...só expõe aos riscos de dúvidas que martelam o pensamento e desregram o batimento cardíaco...e não ouse falar que é preciso estar na chuva...não gosto de estar molhado...
O que me basta, a partir, é planejar...pois sempre me foi dito que me perco no tempo...
...na verdade...sempre presumi que nunca me foi concedido o tempo necessário...

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Enferrujado...



Sob muitas experiências,
lapidei meu existir...
Ia em cada resguardo,
minha vontade insistir...

Assinei várias nuances,
ruins grafias próprias...
Valorizando cada dia,
Singelas memórias...

Busca incessante,
na doce ingenuidade de ser...
Dos simples pudores,
no monte a sorver...

Verei o presente futuro,
melhor do que ninguém,
O benefício de alguma dúvida,
foi a certeza de alguém...

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Migalhas...


Porque lembro de todos os amores,
odores de quem já não mais possuo,
que meu lençol uma vez guardou,
De soltas vestes ou de corpos nus...

Por isso não peço que deixe o seu...
No entanto quero que carregue,
consigo, o pouco que restou do meu...