sexta-feira, 29 de abril de 2011

Guarde Comigo


No ímpeto em conhecer seus semelhantes novamente...a confiança recíproca vem à tona...
Não há questionamentos...não existe súplica...o pedido vem oculto através de algumas poucas palavras...não há necessidade de um: "Queria que você estivesse aqui"...sem por quês...
Cada um faz-se de sombra para outro quando o sol dos outros castiga injustamente...
Os pequenos traços de desconfiança se bastam em seus meios...o fim, já premeditado por ambos, serve como base para outros novos começos...
Como em incursões pacíficas por outros mares...o material de nossas naus...nos mantêm unidos, frente a qualquer interpérie...
Ao passar de nossos ensejos realizados com nossa visão, de alguma forma, tem como serventia, um relicário de nossos futuros pensamentos imaturos, de nossas reflexões passadas...
A combinação de tais fatos, não pode ser descrita como: coincidência, destino, conexão...
O elo de tudo, é formado dos mesmos processos de repouso das mais refinadas bebidas sorvidas pelas estrelas...
...mesmo que repousado apenas por quatro estações...

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Guarde Com Você


Em cima de qualquer possível percepção de exceção, um canino sempre busca uma solução...
Ele, ao invés do que pensamos, não chora por comida, por brincadeiras ou para tirar suas pulgas...
Quase sempre, dele, é requerido, apenas um olhar, um coçada na orelha, um mínimo abraço...mas nunca uma passagem de mão pela cabeça...nunca...
Mais do que maus tratos, a indiferença com ele, faz aumentar ainda mais uma distância que nunca existiu entre companheiros...
Ao tardar de uma obscura indefinição de relações...o mínimo/máximo que é esperado, é o de se juntar ao seus semelhantes...mesmo que o seus semelhantes não saibam realmente o que fazer frente à isso...
Tais animais não vivem fora de casa, apenas, pelo prazer em receber uma resposta do exterior...seja de qualquer forma...o vento gelado, a molhada chuva, alguém que tenha alguma idéia para compartilhar...
Nosso alimento tem de ser natural...não falo de alimentos naturais...e sim...experiências naturais...não forjadas...quem sabe talvez...lapidadas...leva tempo...mas ainda tem o seu valor...
Isso de alguma forma aquece o espírito...de qualquer um...por qualquer esforço mínimo...
Não deixar o seu próximo desaquecido...é o mínimo...e não é preciso estar em contato para isso...
...ninguém faz isso esperando recompensas...
...não há recompensas fazendo tais gestos...
A simplicidade em dar a mão se esconde na reciprocidade...
Difícil, não!?

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Placebo


Sim...eu sou um placebo...
Sou bom o bastante para todos aqueles momentos onde as opções já não existem mais...
Mas a minha eficácia, como pode ser mensurada?
Oras...se sirvo para aquela situação onde tenho êxito...então sou ótimo...afinal, não posso falhar...que tipo de placebo eu seria?
Tenho orgulho dos meus resultados...dos meu meios? Bom as pessoas buscam de mim somente resultados...
Mas minha graduação, como o tal, depende também da freqüência com que sou requisitado...
...os placebos de antigamente eram viciantes...
...os de hoje são descartáveis...

quarta-feira, 20 de abril de 2011

As Avessas Com Roma


Meu bom humor desfalece aos poucos...
Não consigo manifestar certas aflições...a espontaneidade de gesticular dos italianos iria me servir de boa utilidade...
Essa natureza de saber expressar corporalmente, talvez, sem precisar, às vezes, proferir palavras...fascina...
Essa particularidade, provavelmente, deve ser impossível de se administrar afim de querer omitir algo importante...praticamente uma utopia pra quem deseja mentir...
As pessoas que dizem ser experientes em conhecer Roma, sempre as avessas, devem ter dificuldade em relacionamentos...
As pessoas que passam por isso, Roma, ficam inebriadas de tal forma que, duvido que possam aguentar suas verdades...são muito escancaradas...
O charme que os habitantes que vivem em Roma, produz certos efeitos colaterais que justificam suas bulas...
...os remédios de Roma, devem ser administrados por pessoas que realmente necessitem...
...o perigo de se adquirir um placebo é nulo...
...quem sofre com as consequencias desses remédios...não pode levar culpa por nada...
...ninguém pode...

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Imaginando...


Não gosto de remoer assuntos indefinidos...
Eles, geralmente, não tem gosto, ou não se resolvem ou de nada adiantam...
Tudo o que é dito em prol de prever algo em que não traga consigo a solução, é inútil de se absorver...
Se deixar a mercê das sentenças oriundas dos ditos: experientes, atenciosos, sensíveis...é simplesmente assinar um atestado de insanidade...esperando que algumas gratuidades venham a influenciar a mudança do rumo dos acontecimentos imutáveis...
Ninguém tem o poder de compreender as reações químicas de nossa fisiologia, advindas de nossas desilusões...
Na dúvida das incertezas que me restam...a paciência é o que me aguarda...

sábado, 16 de abril de 2011

Nojinhos


O ser humano inventa...na dança dos animais...o que um procura no outro é sua essência...
O cheiro... mas aí vem o homem e destrói nosso DNA olfativo com...
Condicionador, xampu, pasta dental, maquiagem...
Desodorante, sabonete, perfume, depilação...
Lenços umedecidos, sabonetes especiais, cremes, talco...
Tudo pra esconder nosso cheiro...
Lêndias, remela, muco nasal, dente podre, eructação, mau hálito...
Fedor de asa, pescoço sujo, chulé de peito, sujeirinha no umbigo...
Cheiro de pinto sujo, xereca suja, flatulências, bunda mal lavada...
Pé de atleta, joanete, unha encravada, chulé...
Depois de tudo isso... levanta a mão quem não ama o ser humano...
...hum!?

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Interesses...


As coisas mais belas que enxergo no ser humano...estão nos outros...
Confesso que a inveja me consome por vezes quando me deparo com as mesmas...
Queria ter uma porcentagem mínima do que elas possuem...apenas para satisfazer meu ego...
Porque se eu não satisfazer meu ego com belas coisas...de que adianta viver?
Pensamento mais egoista como tal, não deveria existir...mas no momento não deixo espaço para a demagogia entrar em jogo e sim meus interesses...
Interesseiro?...sim...porque não? Boas ações estão recheadas de interesses...
Ou por acaso, quando se pratica o bem, não o faz pensando no bem do próximo...é o interesse...sim... eu sou interesseiro...
Por enquanto, não aceito interesses pífios em relação ao bem dos outros...
O interesse nunca foi e nunca vai deixar de ser bom...
...o objetivo dele é que vai taxá-lo de forma pejorativa...
...ou como sua realidade reflete...

terça-feira, 12 de abril de 2011

Quer Saber?


Sempre
Sempre esperei
Sempre esperei algo
Sempre esperei algo inédito
Sempre esperei algo inédito de alguém
Sempre esperei algo inédito de alguém relevante
Sempre esperei algo inédito de alguém relevante o bastante...
Tempo, expectativa, abstração, originalidade, indivíduo, importância e quantidade...
São aspectos que nem a experiência, a ansiedade, objetividade, o inusitado, o sujeito, a relevância ou mesmo o volume de tudo o que você viveu até hoje, lhe darão respostas para no mínimo compreender a mínima fração de todas as dúvidas que existem entre eu e você...

domingo, 10 de abril de 2011

Samba Bobo do Malandro


Não reclamo da vida...nem posso...mas a vida é como um samba bobo de um malandro...
O malandro sempre caracterizado por algo envolvente...que nos ludibria toda vez em que ele ajeita seu chapéu...no passo a passo daquele gingado em que nossos olhos fitam de forma estática, excluindo o mundo inteiro perante algo tão hipnótico...até que nos permitimos...
Quando nos permitimos, nos deixamos levar na levada do malandro...
Somos guiados com maestria com passos nem sempre assimilados, mas sempre recém apresentados, de uma forma que nos cativa a cada sinal que a mão nos fornece...
Não olhe para o malandro...
Ele, tal qual uma medusa, nos deixa algo misterioso em nossas mentes, fazendo com que nossa curiosidade aflore de tal modo que não podemos evitar de olhar nos olhos do malandro...
Enfim a música chega ao seu fim...
Quem conseguiu sair inerte à todas essas atitudes do malandro, poderá prosseguir para a continuidade da roda de samba...
Aqueles que não lograram em evitar às ações do malandro, vão continuar na roda de samba bobo...
Ah...só pra esclarecer...o samba...é do malandro...
...o bobo...bom...

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Ainda Não Sei...


Não sei como...mas alguma coisa está fora da ordem...
Não que eu acredite em alguma ordem que possa nos reger...mas alguma coisa está fora...
As coisas não tem o mesmo gosto que as coisas tinham...
O leite tinha gosto de leite...não de caixinha de leite...o sol estava lá no céu para nós...hoje nós estamos aqui com medo dele...música era pra se apreciar...hoje para competir...as roupas para se vestir...hoje para demonstrar...carros para locomoção...hoje para ostentação...
As árvores eram pra nos satisfazer com suas sombras, frutos, aventuras....hoje quem faz sombras são as construções, os frutos vêm em embalagens e as aventuras imaginamos nos filmes...
E quanto às pessoas...
Bom ainda não entendo como as pessoas brincam com uma coisa que nos foi concebida sem pudores...
Nessa brincadeira de encontrar e ultimamente se sobrepor os limites...acabamos por descobrir...que nós sim...
...deveríamos vir em embalagens...lacradas...

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Sempre Mais...


Vou dizer o que?
Que isso não passa de um sonho?
Uma película preta e branca sem som
Um filme enfadonho?

Preciso esclarecer?
Me deixar transparecer?
Por mais que isso faça a alegria de muitos
outros não iriam querer...

Preciso dar dicas?
Não é necessário fornecer...
As pistas que poucos buscam,
de nada adiantará, em mãos, ter...

E quanto as respotas?
Cumprir em se comprometer,
em não abrir as portas
que, abertas não devem ser...

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Além...


Olhando fixo para o horizonte pode se enxergar muitas coisas...
É possível tentar acurar nosso alcance de visão como o de uma águia...
É possível tentar aumentar a percepção da amplitude de nossa visão periférica...
É possível tentar aperfeiçoar com mais clareza nossa capacidade de observar no escuro...
Tentaremos...
É possível tentar fazer vistas grossas em relação à nossa incapacidade de reagir às injustiças...
É possível tentar se fazer de cego para os problemas que exigem soluções nossas, quando não gostamos de nos esforçar...
É possível tentar tirar um cisco do olho à assuntos que não nos interessam...
Isso de olhos abertos...
Porque de olhos fechados...
É possível imaginar muitas coisas...sonha outras tantas...ter inúmeros devaneios...tudo às escuras...onde pode existir o momento de paz singular desejado...
...a intrigante situação vai além de tentar realizar as coisas ou imaginar de que forma melhor seria...
...o modo de análise da situação se torna propícia aos nossos interesses...
...não vai além...

sábado, 2 de abril de 2011

Eu Juro...


Se você sorrir a cada manhã
Eu juro que como pão com sua chimia de maçã

Se você me fizer cócegas sem dó
Eu juro que como a comida preferida de sua vó

Se você me fizer de palhaço
Eu juro que você não irá ganhar mais abraços

Se você acreditar em milagre
Eu juro que você não irá encontrar a felicidade

Se você me comprar com um tostão
Eu juro que posso pensar em alugar um coração

Agora...se você me pedir por favor...
Eu ju...não...de joelhos ninguém consegue amor...

Essa história de nenhuma forma é verdadeira...
Amor implorado...nem se for de brincadeira...