domingo, 30 de janeiro de 2011

Cheiros...


Pela manhã senti o aroma forte do café sendo passado e minha lembrança remeteu repentinamente aos meus avós...recordo que eu era obrigado a acordar cedo para tomar café da manhã com eles...depois eu poderia retornar à minha cama...
Cama quentinha, com lençóis recém arrumados na noite anterior...cheirinho de sono...barulho de chuva na janela...
Esses dias em que a chuva passa a dar as caras sempre ao fim das tardes, me lembra aquele odor de cachorro molhado de meu antigo companheiro sem raça definida...fedia...grande amigo...
Cheiro de pão feito em casa, de pipoca na panela, do sol esquentando meu quarto pela janela, de churrasco, de um bom abraço, de chocolate na boca, daquela roupa, cheiro bom de bebê, de um livro novo quando se lê, achocolatado, do presente novo embrulhado, de perfume no inverno, o cheiro de pele eterno, de protetor solar no verão, das bolhas de sabão, de grama molhada, da antiga namorada, de casa velha de madeira, de leite na mamadeira, de lenha na fogueira...
Vários aromas, várias épocas...
...preciso de todas elas...

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Hoje Acordei...


Hoje eu acordei meio sei lá...
Um pouco de não sei com uma pitada de tanto faz...
O que ia acontecer depois não me importava muito...
E o que tinha acontecido enquanto dormia, não me deixa nenhum pouco curioso...
Acordei hoje com vontade de andar nu com a mão no bolso...como as vaquinhas se comportam...sabe!?
E não que eu vá fazer alguma objeção a isso...mas duvido que algo reinvente meu pensamento hoje...
Espero não contagiar ninguém, mas meu ócio criativo está em pleno funcionamento...
Aquela vontade de não fazer nada o dia inteiro e depois dormir um pouco para descansar...
Duvido que isso sirva de norte para alguém...
Creio que nem é algo que eu deva me orgulhar...
Mas hoje eu acordei meio assim...meio sei lá...

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Tentativas


Por quê vivemos de apostas?
Me perdoem se o meu entendimento sobre apostas for equivocado, mas isso para mim é fugir da responsabilidade de assumir o erro e mostrar a cara quando o êxito for sorteado...
Sorte...essa questão também me faz pensar que jogamos nossas escolhas à alguma força com inúmeras denominações que, obviamente, tem bons respaldos para o nosso efetivo sucesso...tá bom!...continue assim...
E nesse conformismo nos situamos como filhos adotados por vezes...quanto ao insucesso nos colocamos como prole de pais desnaturados como se o mundo virasse as costas para nós...coitadinhos...
Antes que eu esqueça que, sim a tentativa é livre e continua sendo de graça, vamos nos recordar que tentativas não são bolinhas numeradas rodando em um globo num bingo...se há o trevo de tantas folhas...alguém procurou...
...ou alguém aqui aleija o coelho por puro prazer?

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Quanto Tempo Mais...


A espera de uma escolha não decidida por nossa própria vontade é sintetizada na mesma sorte que temos ao tomar banho torcendo que não falte água...
Essa aflição ansiosa que se vive na auto-expectativa é oriunda de uma insegurança tão presente em nosso dia-a-dia quanto a torturante espera do resultado de um teste comprovando sua excelência...
Provar...
O momento de comprovação, é um rito corriqueiro, em nossa maior demagogia de não dar importância a tal, que nos exige muito de nossa serenidade e inquietação frente à atitudes permeadas por nossa presença...lembrando...não por nossos atos...
A linha tênue entre estar presente e se fazer presente, não depende do nosso passado...nem de nossos possíveis planos...a nossa presença sentida através de um simples olhar pode ter o mesmo peso que um estardalhaço noticiando a todos suas vontades...
Posições respeitadas à parte...me pego por questionar...qual a diferença que posso realizar...sem interferir no livre caminho traçados por todos...
...creio que nenhum de nossos sucessos pode tendeciar nossos mais amplos desejos...
...nenhum de nossos pensamentos pode ser tão tendencioso ao ponto de ser classificado como êxito...
...nenhum...

sábado, 22 de janeiro de 2011

O Que Se Quer


O que se quer nem sempre é o que se quer...
O que existe nem sempre é o que é...
Ás vezes se é homem ás vezes mulher...
Podemos ser facilmente confundido com um qualquer...

A vontade passa muito longe do que queremos ser...
Miramos tão longe que nem sei se podemos ver...
A mesma ambição que nos faz crescer...
É a mesma armadilha que nos faz perder...

Ímpeto, desejo e teimosia são muito mais que vontades...
Cada uma aparece de acordo com a experiência e idade...
Porém além de descobrir mentiras, queremos verdades...
Inocentemente pensando que com elas vem a felicidade...

Ao invés de carregarmos pra sempre o fardo do "eu queria"...
Almejar coisas que sempre nos exigem baterias...
Poderíamos brincar constantemente de trocar o dia pela noite, a noite pelo dia...
Ao lado de nossos afetos somos impossíveis exteriorizando nossas alegrias...

...ah...me perdoem...mas isso eu queria...

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Tem Horas?


Esses dias me pararam na rua e me pediram, você tem horas?
Eu indaguei, tenho mas depende, pra que?
O sujeito intrigado com minha indagação pediu, como assim?
Ué, disse eu, posso ter várias horas, qual você quer?
Eu posso ter horas que fico em dúvida do que fazer, você não tem?
Não!? Pois bem...
Eu posso ter horas em que não sei o que pensar ou qual decisão devo tomar, você não tem!?
Nem essa!?
Eu posso ter horas que deixo as ações rolarem sem tentar interferir muito, essas você já tem, certo!?
Humm, deixa eu ver...
Eu tenho horas em que eu só quero o ócio, uma dose forte de ritalina me invade a alma, essas são boas, né!?
Bom na verdade eu tenho horas mesmo que não quero saber das horas, quero viver além de tão somente existir...
Existir não me consome horas...só as horas me consomem...e isso não tenho como lhe dizer...
Viver sim, as horas me favorecem...ditam tudo o que preciso fazer para que elas possam revelar-se à minha curiosidade...
Ah!...você quer saber as horas né...
Ei! ...onde você foi!?

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Notícia Urgente


Atenção! Atenção! A notícia corre do casório entre a inveja e a conformidade...
Pois é...
Você vê seus amigos se divertirem...
Você admira seus amigos que viajaram...
Você observa eles felizes...
E o desejo de querer isso, o consome...
Você assiste seus amigos se apaixonando...
Você assiste seus amigos namorando...
Você assiste amigos se separando...
E a vontade de querer passar por tudo isso, o intriga...
Você é espectador em uma cena de família...
Você não participa do crescimento das pessoas que o cercam...
Você não se esforça pelos outros...
E a inveja lhe consumindo...
...e você aí...

domingo, 16 de janeiro de 2011

Coberturas


Ninguém pode negar, que o que nos sacia visualmente em um doce é sua cobertura...
Ele é feito com uma arquitetura tão bela de forma proposital (ou não) que nos hipnotiza por segundos sempre que os observamos...
Porém o doce que nos é tanto cobiçado, em demasia, enjoa e faz mal...
Começo por duvidar, nesses doces sentimentos e visuais tão atraentes...
As pessoas dotadas desses quesitos tão desejados por todos, nunca estiveram em minhas preferências afetivas...
Não posso também ser tão incisivo nesse meu axioma...ninguém pode, para falar a verdade...
Contudo descobrir o real limite de poder aguentar esses desejos de formigas, é tão variável quanto a teoria daquele físico teórico alemão...não há como determinar...
Todavia, as defessas imunológicas do meu corpo, há tempos, já estão fartas dessas doçuras...
...só não sei se fazem isso de forma correta...

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Anseios


A impressão inexata que tenho da vida é que ela é um simples percurso onde existe uma corrida em que a melhor posição que posso chegar é a de segundo colocado...
Uma mistura de experiências vividas, vidas relatadas, contos contados, versos versados...nessa redundância plena que me encontro perdido...
Compartilhando esses simples momentos, percebo que por muitas vezes a ambição toma conta da admiração que deveria ter...aquela cobiça do bem que nos torna belas borboletas do que lagartas ociosas...
Mas me deparo justamente com o lado em que apenas ouvir basta...algumas pessoas têm esse poder, invejável, de ser bons ouvintes, sem serem indiferentes à isso...
Essa indiferença ignorante me fascina ao ponto que percebo-me como ignorante real frente às ambições de outrém...
...espero me desfazer dessa falta de sabedoria alheia para que então possa me libertar desse casulo que me serve com uma luva...sem dedos...

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Você Suporta Seus Desejos?


Qual é seu nível de sensibilidade?
Lembrando que a maioria as vezes que nos julgamos sensíveis, estamos sempre sob a tendência de nossos anseios...
Assim fica difícil mensurar...
Pois bem... devemos também editar os momentos de dor, perda, felicidade extrema...seria muito leviano classificar tais momentos...
Os momentos que busco são aqueles que nos confundem em uma mistura de espanto seguidos talvez por admiração...esses atos descompromissados é que geram questões...
Aquelas quais nos pegamos por perguntar se nossas aflições estão tão visíveis onde não temos o controle de censurar a exacerbação das mesmas...ou se ha alguém muito atento ao nosso comportamento...alguém que está em um nivel de saciar o que não alertamos com profunda excelência...
Será que existe tal feito?
O dar sem secundárias intenções...
Ou será que a questão principal nem seja essa...
...afinal conseguimos ser indiferentes à tudo isso...
Até onde conseguimos acreditar no nível de sensibilidade das pessoas?

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O Destaque Do Tabuleiro


A cada aventura que me dou o direito de participar, o fascínio meu pelo ser humano cresce mais...
O desejo de aceitação não requerida que tantos buscam sem saber a real razão, nos faz parecer como macacos enjaulados à espera de bananas como gratidão...
A descoberta do novo requer muita atenção...mais do que histórias, queremos emoções...nuances que podem contagiar a todos através de um singelo olhar...lembrando que a decepção encontra-se logo ao lado da mesma expectativa que desaponta ao não gostar dos objetos dos pacotes de nossos presentes...
A regressão que nos atinge por vezes, passa muito longe de alguns ritos...mesmo que por mais estranhos que pareçam ser, a idéia da potencialização de sensações, passa da simples situação de expectadores críticos que nos é permitido, aos incontáveis segundos que o sentido lisérgico de um beijo nos pode proporcionar...
A ansiedade de recompensas nos leva à atitudes impensáveis, fazendo nos tornar reféns de nossos planos mais arquitetados...o que nos aflige e por muitas vezes causa a inquietação da indignação, trazendo consigo a justificativa da caridade...disso nós não precisamos, não necessitamos de boas intenções perdidas no sentimento de culpa alheia...
...o que desejo sim é cumplicidades...
...é a única coisa que possuo em mãos com o qual posso tornar algo tão verdadeiro como válido...
...me sentindo um ser humano melhor correspondido...