quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Espelhos


Me desculpe os adoradores de rosas...amantes da música...dos escritores filósofos...
Daqueles que beijam incessantemente...daqueles que cumprem ordens...dos que degustam as peculiaridades...dos que sabem sentir...
Mas a minha decisão é irrevogável quanto a eficácia e a dimensão que um olhar pode causar...
O olhar pode ser compreendido nos lugares mais tumultuados existentes ao passo que pode ser ensurdecedor ao único par de olhos que o recebe...
Ele tem o poder de incriminar as maiores mágoas e decepções que um ser humano pode sofrer, coexistindo com o olhar de desprezo e indiferença na assimilação dos fatos...
O simples fato de acusar com tal ação, pode levantar a dúvida e a injustiça sem o franzir da testa ou arqueamento das sobrancelhas participando desta artimanha...
O olhar pode conotar a maior cumplicidade de alegria de um momento vivido a dois...três...principalmente a dois...a supresa e a expectativa simultaneamente podem ser transformados em puro êxtase a poucos momentos de um olhar fatal...
Não pense que estou com a visão fixa no olhar...as piscadelas, o encarar, as olhadas de canto de olho, as brincadeiras com olhos de fazer rir...todas...tem um espaço muito bem reservado, nas minhas intenções de escolha para os momentos exigidos que a vida nos faz aprender...
Porém, das janelas que transmitem o que a mente tem a dizer, apenas me resguardo atrás da muralha dos cílios que servem como último recurso...um embate por longos segundos facilmente pode me desarmar dos trajes coloridos das íris que me confortam...
...do aguardo que me resta, me surge apenas, a esperança das intenções deste olhar que me fita...
...do temor que me aflige...só não espero a derrota de uma lágrima concebida pelos olhos meus...

2 comentários:

  1. O que comentar, se nesse momento o que teria de melhor a lhe dizer, estaria escritos somente nos meus olhos?

    ResponderExcluir