terça-feira, 29 de junho de 2010

Vírus


Estava imaginando hoje como uma certa pessoa consegue acabar com meu dia...ela nunca me fez nada, até que eu saiba no momento não faz e espero que no futura se mantenha assim...e não estou descrevendo como gênios incompatíveis...
Não creio que essa pessoa faça isso com intenção porém ela consegue responder um simples: OI! Tudo bem?, com um roteiro inteiro da vida do Zé Pequeno desde sua infância até meados de sua morte...forte essa comparação né...talvez seja um dramalhão meu...mas isso acontece todo dia que a vejo...e me contamina de uma forma que nem o melhor psicólogo conseguiria ficar ao lado do divã pra escutar o relato...mais forte que uma gripe... e olha que já tentei diferentes abordagens ou até não abordar pra mudar essa cena...creio que nem álcool gel funcionaria...
Mas por outro lado sou constantemente alvejado por ótimos "Bom Dia!", mesmo que não esteja sendo, alguns "Boa Noite!", "Até Amanha!" mesmo que a pessoa não deseja isso ou que realmente queira me ver amanha...mas por incrível que pareça...faz uma diferença...
Não estou induzindo ninguém aqui a falsidade ou coisa que o valha para um mundo feliz...longe de mim...e tão pouco estou pedindo para os meus amigos que deixem de desabafar...mas fico me questionando...será que a vida da gente é tão má, que só conseguimos por vezes, exaltar as coisas ruins...ou será que eu estou fazendo o mesmo agora...?

domingo, 27 de junho de 2010

Resoluções


Esses dias que passaram aproveitei para cumprir algumas promessas que fiz...
Abri mão de certas "regalias", como umas boas noites de sono, tarefas corriqueiras necessárias, compromissos que poderiam ser postergados (não costumo adiar, porém...)...
Cuidei da minha saúde levando meu corpo ao cansaço extremo...conheci pessoas novas frequentando os mesmos lugares, passei algum tempo com a minha família...bom pelo menos um integrante dela...
Reforcei alguns laços com amizades recentes...contudo, espero que as antigas não me abandonem...sempre fui muito grato à elas...
Recuperei hábitos antigos...descobri como nunca foi tão fácil retomá-los...mas no momento penso como será difícil mantê-los...outros que adquiri penso se continuá-los será valioso...
Quando a vida se inicia obervando sobre distintas perspectivas, surge inúmeros questionamentos sobre a importância de cada...mas o valor dado a cada uma não nos dá o direito de excluir as menos avaliadas...as menores coisas da vida não damos a devida a assistência porque não esperamos muito sobre as mesmas...por isso elas no respondem dessa forma...sendo pequenas...

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Surpeenda


Você já fez algo diferente hoje? Pegou um caminho diferente ao trabalho, ou chegou 15 minutos antes?
Quem sabe a idéia de inovar pode resultar em acontecimentos diferentes...derepente dê bom dia a quem você faz questão de não olhar no rosto...ou por ventura juntar aquele papel do chão que outra pessoa jogou e depositá-lo na lixeira...
Esses tipos de ações, por vezes, nos faz sentir bem, por estar fazendo algo que a maioria das pessoas não seria voluntária a realizar...
Mas você já deixou de executar as mesmas coisas?
Já deixou de dar boa tarde aquela pessoa que todos os dias você cumprimenta desta forma?
Ou já ignorou certos afazeres, só pra ver se alguém nota a ausência dos mesmos...
As pessoas que realizam coisas novas ou deixam de realizar as corriqueiras, buscam por anseios semelhantes além de notar... serem notados...ser parte importante do ambiente em que vive...
Porém creio que o nosso "feijão-com-arroz" não pode queimar na panela afim de destaque nas fofocas...
Prefiro criar um expectativa nova em cada pessoa que conheço...porque assim, conquisto mais espaço em suas vidas...não tendo o risco de ser esquecido...não que isso seja pré-requisito para tal...mas não corra o risco de ser banido da vida de alguém...
Lembre-se que cada um de nós somos imprescindíveis, porém não insubstituíveis...

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Escutando Melodias Por Aí


Não sei quanto a vocês, mas a música em seu contexto geral transmite muitas mensagens...
Sempre que posso levanto o volume das caixas de som e imagino o que a melodia ou ritmo traduza algo...
Algumas músicas escutamos com intenção de sentir certas coisas...músicas com vozes aveludadas com um dedilhar das cordas de um violão ao fundo, me passam a idéia de tranquilidade, ternura, tristeza...
Se com essa mesma idéia, o barulho bom de uma percussão participar, pode ser entendido como uma forma de elevação espiritual, energia, êxtase...
Se ainda sim quiser plugar tudo isso transformando em algo muito mais pesado todas as coisas poderiam ir da heresia a histeria em uma fração de tempo onde sequer um metrônomo poderia compassar o que ocorreu...
Existem canções instrumentais que podem exigir mais que um momento de atenção ao escutá-la e entendê-la...
Outras tão desprezíveis que não seria necessário chegar ao refrão...se passar disso a censura seria bem-vinda...não, me perdoem, não seria bem vinda...nunca passei pela sensação e não gostaria de vivenciar...não imagino ter que calar os anseios de alguém em troca de uma opinião previamente imposta...
Mesmo não concordando com as idéias apresentadas de certo autores da vida, o máximo que poderia executar, seria simplesmente tapar os ouvidos e dar as costas no primeiro instante em que se perceber tal opinião contrária...respeitar não significa querer ouvir...mas as vezes o silêncio de uma expressão me conta muito mais que o barulho de uma multidão...

terça-feira, 22 de junho de 2010

Pensando...


Sempre que me pego vagando em meus pensamentos com alguma trilha sonora ao fundo, cria-se um ambiente de nostalgia no momento.
Sei que é um pouco cedo pra usufruir desta sensação em plena bodas de prata da minha existência com o mundo, porém acho injusto não relembrar certos momentos...
As coisas mais notáveis que me ocorreram quando criança, foram situações, como arrancar um dente, que me lembrava que minha saúde estava como prioridade e deveria continuar...ou uma pancada forte na cabeça, que até hoje, carrego uma cicatriz, me alertando ter cautela nas coisas que realizo...e até de brigas de infância que me ensinaram a ter mais prudência em minhas palavras e atitudes...
As boas também existiram, mas essa só me ensinaram a aproveitar mais a vida e continuar em minhas opções de viver inocentemente sob alguns aspectos onde toda criança encontra a sua felicidade... mesmo que por vezes momentânea...
O simples fato de recordar algumas ocasiões de minha infância, me coloca em êxtase por ter vivido com intensidade por vezes sem ao menos, na época, ter a capacidade de discernir o certo do errado...
Já hoje por pensar demais, me pergunto se estou vivendo o bastante...

sábado, 19 de junho de 2010

Ação do Tempo


Me considero demasiadamente velho pra fazer certas coisas, desenhar o contorno de minha mão em uma folha em branco seria um exemplo...
Para que servirá esse desperdício de papel, se nem moldura colocarei em torno deste projeto de pintura e nem nobres histórias tenho para contar, afinal, não ajudei todos que pediram auxílio na hora de levantar, pois me considero novo demais para lidar com esses fardos...hoje penso se ainda tenho força nelas...
Brincar de roda também não, além de ser uma besteira para alguém da minha idade, isso sempre me deixava com tonturas e deixava de participar, nunca fui um elo forte entre as pessoas que se prendiam à mim achando ser um porto seguro...dificilmente salvei alguém que estava por cair ao meu lado...
Dar conselho aos mais próximos, nunca foi meu forte, não posso ter a pretensão de dar lições de vida sem ter vivido completamente 1/4 de um centenário de vida...meu cheiro de fralda, me acompanha e me entrega...
Discutir novas idéias, velhas ideologias, também não me pertence...o forte da história da civilização não presenciei, e o que está por vir é uma incógnita de igual tamanho à teoria de fim do mundo que está por vir...e recém me surge os primeiros fios de cabelo branco...
A única coisa que enxergo que não tenho como decidir se sou jovem ainda ou velho demais são as relações de afeto entre as pessoas...
Vejo que cada uma e cada qual tem seus princípios e motivos distintos que nem Einsten poderia formar uma teoria sobre...
Olho todos os dias no espelho em busca de coisas que são corretas para o meu tempo de vida e conhecimento...porém acho difícil adotá-las...devido ao estilo de comportamento de um camaleão que somos submetidos a nos moldar...são muitas transformações, que receio não ter a aptidão de me adaptar a tudo que vivencio...
Percebi que única coisa que condiz com minha idade é de observar a vida e aprender com ela...
...afinal, os olhos, são as únicas coisas em nosso corpo que nos acompanham desde o berço até o tardar da vida...sem evelhecer.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Refém de Vida


Parei por me questionar se somos indepentendes ou não. Alguém consegue responder essa rapidamente?
Analisei que constatemente dependemos dos outros, ou pior, do tempo dos outros...confuso!?
Você já percebeu como colocamos as condições dos outros pra resolvermos nossas dúvidas e anseios? Será preciso realizar tudo o que se tem de bom na vida em função da boa vontade e do gosto dos outros?
É difícil querer dividir aquilo que se quer se não há um conexão mútua de idéias, como a de duas crianças na hora de decidir quem irá comer o último biscoito do pacote...
Criamos falsos obstáculos, como precedentes para aquilo que mais desejamos realizar em vida, como em uma corrida onde colocamos a culpa no vento para averiguar o êxito
...quero...quero...SE...gostaria...gostaria...SE...só faço...só faço...SE...
Muitas vezes a barreira que idealizamos está caracterizada em nossa personalidade, como a grande aventura de descer do grande pedestal do orgulho para concretizar algo...ou até mesmo da vaidade de deixar o burro (animal, com todo o respeito) da teimosia seguir seu caminho libertando ele das cordas de um poste velho e quase apodrecido que chamamos astutamente de MINHA SÁBIA OPINIÃO...
Claro que nós todos desejamos aprender coisas interessantes em nossa existência afim de qualificá-la como de BOA VIDA...contudo se continuarmos a criar trincheiras de guerra em nosso caminho, uma coisa estará garantida...caminharemos em círculos, presos a um poste com a luz de nossa perspicácia quase por se dissipar, e com o orgulho ao ser chamado de...de...de...de...de...de
...ser humano*!
*(ato de compaixão ao quadrúpede)

terça-feira, 15 de junho de 2010

Expressões da Vida


Hoje precisei tirar o chapéu por causa de uma forte dor de cabeça que me cegou frente à verdade que acabei de escutar, cheguei a morder a língua das coisas que havia dito, mas depois que tirei as amarras de meu pescoço, dei os ombros ao que falaram de mim.
Senti forte cansaço nos braços, até dor de cotovelo sofri quando me deparei à cena...Roí as unhas, fiquei ofegante, batimento acelerado, senti um frio na barriga, deu vontade de ir ao banheiro, mas me contive e sentei...
Percebi os príncipios de fadiga em minhas coxas, quando precisei ajoelhar por perdão...muitas vezes no milho por castigo, as minhas pernas doíam apertadas pelas meias que usavam decorrente do frio que passei por andar descalço na areia onde meus dedos agarravam tentando me manter das ondas que queriam me levar...
Foi quando percebi estar caminhando sobre as nuvens, com as pernas relaxadas e com os joelhos recém recuperados das pessoas que me ajudaram levantar, a vontade de ir ao banheiro existe...só para banhos quentes a partir de agora, porque a barriga no momento só serve para proporcionar cócegas.
Meus dedos nesse instante andam entrelaçados com outros, o batimento acelerado, a respiração, por vezes, ofegante, os braços funcionam como afago para um carinho alheio. Os ombros de instante servem como estações de consolo de amigos que necessitam parar para o desabafo, no pescoço apenas adornos, a boca me diz para fitar os olhos pela última oportunidade, para que assim possa apenas escutar os sons que imagino e não saem mais da minha cabeça...
E o coração...continua acelerado...

domingo, 13 de junho de 2010

Rumos


Qual é o esforço que você faz por você mesmo? É equivalente ao mesmo que você gostaria de receber?
É de comum acordo (eu, comigo mesmo) que existem várias situações em nossa vida onde ocorre uma auto-sabotagem...
Difícil de crer nisso quando só desejamos o melhor para nós mesmos, mas alguém aqui já conseguiu impor todas suas convicções em todos os momentos?
Excetuando os momentos em que somos voto vencido, há situações em que nós abrimos mão de certos anseios com os quais esperamos e que nossa vontade seja respondida pelo fracasso de não se impor ou pela teimosia de outros para assim então elevarmos nosso ego com a conviccção de que estávamos com a sabedoria em nossas mãos...essas mesmas de quais previamente desistimos...
Podemos nos questionar sobre que realmente queremos...a simples decisão de deixar as coisas nos levarem, não signfica que não desejamos tomar partido sobre as mesmas...
Conseguimos tomar nossas decisões por simples atos ou palavras...só não reconheço o peso de cada uma delas...
Sabendo que as palavras dão voz aos sentimentos e um ato responde em silêncio o que se quer dizer, continuo sem respostas sobre quais serão as minhas decisões...mas sigo em busca de como fazê-las...

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Esperança


Gostamos da sensação de coisas novas todos os dias, do inexperado, do inédito.
E não estou aqui falando em algo tão simplório como se programar para assistir os jogos da Copa do Mundo.
Me refiro no sentido de como nos pegamos despraparados para inúmeras situações da vida. Como nos colocamos inocentemente frente a vários desafios que não sabemos se iramos lograr sobre.
Mas de repente isso seja o lado bom da vida, acordar e fugir da rotina, do óbvio, do cotidiano.
Contudo não é exatamente o óbvio que nos conforta deixando nós seguros de tudo?
O real segredo sobre o exato equilíbrio da vida não está escondido com nenhum sábio sobre o signo de Libra.
E também não posso esperar que alguma revista irá me fofocar sobre tal dádiva.
Agora, o que posso esperar de mim, a não ser, surpresas todos os dias...
O que posso esperar de mim, a não ser, ter segurança em minha decisões...
O que os outros podem esperar de mim...devo dar importância respondendo sua expectativas?
Não correspondendo as expectativas nos tornamos surpreedentes ou desapontadores?
Nos movemos sempre de acordo com o vento, isso seria conformismo ou curiosidade?
São muitas perguntas com tantas respostas que não sei como conciliar, a certeza e a inovação. O jeito é tentar entrar em comum acordo entre a mente e o coração...

quarta-feira, 9 de junho de 2010

A Troca


Das coisas mais chatas e eficazes que existe na vida de uma pessoa uma delas é a chantagem...
Não há maneira mais rápida de se conseguir algo...aqui dificilmente existe lugar para justiça quando o interesse está em jogo....
O conflito se inicia quando há o interesse mútuo...a estratégia de ambas as partes se torna algo muito mais interessante do que a troca de olhares de dois jogadores de pôquer no momento de revelar o que cada um possui em suas mãos...
A decepção e a sensação de poder se misturam por momentos intermináveis até que o rendimento acontece...bom alguém precisa se render para saber o resto...
Aliás chato é fazer isso também...será que há a necessidade de ser sempre assim para se conseguir algo...bom...que não vai fazer mal algum a outros, mesmo sendo um sentimento egoísta...
Ou não! A chantagem serve como forma de uma conquista amorosa, almeja muito mais que um mero jogo do amor, funciona para mensurar o quanto cada um é capaz de fazer pelo outro...de repente a chantagem não seja algo assim tão chato...
Um dia desses pedi um abraço e um beijo do meu irmão de 3 anos...ele se negou...falei que ele poderia ganhar um carrinho se eu ganhasse o que pedia...o abraço e o beijo ganhei...nesse exato momento ele está brincando de carrinho...que chato isso!!!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

NÚM3R05


A vida poderia muito bem se resumir em uma simples equação matemática, não!?
Vivemos rodeados de inúmeras situações nos quais nos deparamos, que exigimos tanto de nossa massa cinzenta, para que tenha êxito em algum feedback ou um momento que possamos gritar em silêncio bem alto: EUREKA!!!...com uma leve risadinha no canto da boca saboreando a conquista...
Ou até conto com ajuda de alguns amigos pra que posso pedir auxílio...isso é uma ótima coisa com que se pode contar...
Mesmo sabendo de algumas coisas onde poderíamos facilitar a vida das outras pessoas, até dos mais próximos, por alguma razão ainda não compreendida, não passamos essa informação, como se fosse detentor de certo poder...NÃO CONTO!!!
Sempre acreditei que as únicas informações que nunca puderam ser anunciadas são os segredos, essas eu prometi que não conto...espero que os outros façam o mesmo...conto com isso...
Assim passo contando os dias que restam, para que possa surgir outras contas.
A única coisa que não conto é com o dia que irei parar de contar, isso seria um suicídio premeditado...
Só gostaria de saber mesmo qual seria a equação da vida...
Me dei por conta que não sou bom com contas...aliás matemática nunca foi meu forte na escola mesmo...

sábado, 5 de junho de 2010

Quanto Vale?


Se somos reflexo de nossas atitudes porque as pessoas exaltam apenas as más? Qual é a graça, o sentimento, a vontade de enaltecer isso?
Conselhos são bons, faça o bem, a sua parte, a dos outros, faça a diferença, seja diferente! Diferente de quem!?
Alguém conhece uma pessoa que se julga autêntica? Se são apenas idéias que se divergem, todos poderíamos ser taxados como diferentes e somos...a diferença é o quanto somos julgados...
A linha tênue entre o respeito de opiniões e a indiferença à elas, nos subdividem em grupos...mas não somos diferentes?
Inclusive as coisas boas que executamos em nossa vida são ruins...ou alguém aqui conhece um amor por igual, uma paixão 50/50...alguém aqui se sente feliz sendo amado 49%??? É lógico que essa idéia "utópica", vai ser negada por todos aqueles que são amados somente 48%, 47%, 46%.....ou nem isso...
Do contrário a conta fica exata o ódio fica 100%, a tristeza é total, a falsidade é mútua, a mentira dobra de tamanho, a avareza chega aos 110%...ops...me passei nos cálculos...
Sensações ruins, se disseminam rápido, são piores que os vírus que por onde passam acabam com a vida das pessoas...
Agora as coisas boas da vida são mais árduas de serem conquistadas e mantidas, pelo simples fato de serem partilhadas, não há posse sobre os bons frutos da vida, se não semear, cuidar, podar com um belo cuidado não há o florescer de um amor-perfeito...
Para o entristecer de uma vida basta que a felicidade acabe...para que aquela termine basta que esta apareça e tome conta...alguém pode fornecer as instruções de como ter mais felicidade sem acabar com a dos outros?

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Efeito Colateral


Efeito colateral não é somente aquilo que vem escrito na bula de um medicamento, é aquilo que acontece sem sua permissão ou vontade, mesmo tendo feito aquilo que fez, por desejo ou por submissão ao presenciar sem atuar.
É muito mais que um fluxograma das coisas que podem acontecer, das que vão acontecer e daquelas que por mais que você torça, se ilude assistindo tudo ao contrário.
Efeito colateral de rémedios são bons, mesmo sendo ruins, você sabe o que pode esperar...
Das coisas, é relativo você joga tudo dentro de uma peneira, esperando que só sorteie aquilo que deseja.
Pessoas não têm efeito colateral, isso se traduz por outras palavras amor, rancor, presente, vingança, mentira, realidade...
Dizem que esses efeitos são carregados durante toda nossa existência, com um simples gesto de honestidade carrega-se o fardo da verdade como uma máscara eternamente fixada em nossa face com um espelho em nossa frente...
Por muitas vezes o simples ato de omissão se contempla por estar nos braços de uma torcida fervorosa pedindo por mais uma glória...
Quando ficamos indignados com isso não adianta ir em busca de solução, alternativa ou outro remédio (círculo vicioso) para sanar tal questão. No máximo que usamos, são alguns placebos que criamos em nossa vida, como sonhos, filmes, música, criando ambientes que iludem nossa mente como uma droga passageira...
Talvez os efeitos colaterais sejam as reações adversas do que somos...talvez seja isso...